Coronavírus

Produção de Resíduos Durante a Quarentena

Descarte de Resíduos na Pandemia

Neste ano, o mundo está enfrentando um novo desafio devido à pandemia decorrente da disseminação do Coronavírus (COVID-19). Questões do cotidiano que antes passavam despercebidas para muitos habitantes, agora se mostram mais aparentes. Uma delas que vem chamando atenção, é o descarte de lixo.

Na esquerda, exemplo de resíduo seco, e na direita, de resíduo úmido (Foto: Gazeta)

O lixo, também chamado de resíduo, pode ser separado em alguns tipos. O resíduo úmido, conhecido como lixo comum costuma apresentar origem orgânica e é comum acreditar que ele não tem mais utilização, como os restos de comida, papéis sujos e fraldas. O resíduo seco, por outro lado, é aquele que pode ser reciclado, se não estiver sujo ou contaminado. São aqueles materiais recolhidos pela coleta seletiva, e dentre eles, está o plástico como o mais famoso e comentado.

O início do período de isolamento social trouxe uma nova percepção sobre a geração destes tipos de resíduos, com uma alteração na composição do que é gerado pelas populações de grandes e médias cidades. A Abrelpe (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais) previu um aumento de 15% a 25% no descarte de resíduos domiciliares e aumento de 10% a 20% do descarte hospitalar.

Na cidade de São Paulo (SP), a Amlurb (Autoridade Municipal de Limpeza Urbana) analisou os hábitos na primeira quinzena de abril. Foi observada uma queda de aproximadamente 55% dos resíduos coletados na varrição e queda de 12% dos resíduos da coleta comum. Ao mesmo tempo, ocorreu um aumento de 25% no descarte dos lixos recicláveis em relação ao mesmo período do ano anterior (3,2 mil toneladas em 2019, e 4 mil toneladas em 2020).

Ficar mais tempo em casa apresenta logo de início uma diminuição dos resíduos gerados nos comércios e aumento na porção domiciliar. O descarte inadequado em guias, calçadas e vias diminui, o que corrobora com a queda de quase 50% do recolhimento da varrição, em comparação com o mesmo período no ano passado (4,1 mil toneladas em 2019, e 1,8 mil toneladas em 2020). Além disso, também há um aumento na higienização de locais públicos, como os entornos de hospitais e pontos de ônibus, como método de evitar contaminação por Coronavirus.

Varrição na capital paulista (Foto: Amlurb)
Compostagem caseira (Foto: Ciclo Vivo)

Além disso, estar em contato com sua própria geração por mais tempo tem permitido às pessoas uma maior percepção do que produz diariamente, se conscientizando e realizando uma maior separação dos seus resíduos. A consequência é designar mais resíduos secos para reciclagem, diminuindo o que antes era eliminado misturado com os resíduos úmidos. Além disso, uma alternativa crescente entre as pessoas é a utilização da compostagem, método onde se reaproveita a matéria orgânica de frutas, legumes e folhas para enriquecer a terra ou o solo com nutrientes.

Outro dado alarmante em relação ao aumento do descarte de recicláveis é o aumento dos pedidos por entrega, que utilizam muitas embalagens descartáveis e difíceis de serem reutilizadas na rotina. Os materiais predominantes são plásticos e itens de isopor.

No início do isolamento, algumas cidades suspenderam os serviços de coleta seletiva, para diminuir os riscos aos trabalhadores no deslocamento e também pelo descarte inadequado de luvas e máscaras. Na capital paulistana, os resíduos recicláveis são levados para as Centrais Mecanizadas de Triagem, que possui capacidade para tratar 250 toneladas de cada tipo de material por dia, mas opera com 70% no momento.

Central de triagem (Foto: Prefeitura de São Paulo)
Projeto Pimp My Carroça (Foto: UOL)

As grandes cidades apresentam ainda um número muito alto de catadores autônomos. Eles não possuem renda fixa, e vivem do que conseguem vender dos recicláveis descartados. Ao continuarem trabalhando, correm risco maior por estarem na rua e terem contato com os resíduos sem saber se os mesmos estão contaminados.

Ainda há uma grande discussão sobre manter ou não a coleta seletiva durante a pandemia. Independente de haver ou não a coleta separada, o serviço de recolhimento de resíduos é considerado essencial e será mantido durante todo o período do isolamento social, não havendo como não expor os coletores. Por enquanto, o importante é lembrar que luvas e máscaras não são recicláveis, devendo ser colocadas dentro de uma sacola e descartadas no lixo comum, e caso teste positivo, a pessoa deve descartar todos os resíduos sem separá-lo.

O descarte correto de máscaras e luvas é no resíduo comum (Foto: Anasps)

Referências Bibliográficas

Geração de resíduos aumenta 25% com isolamento social. Altair Tavares, abr. 2020. Disponível em: https://altairtavares.com.br/geracao-de-residuos-aumenta-25-com-isolamento-social/. Acesso em: 20/5/2020.

Lixo domiciliar cresce, mas especialista alerta para o risco de seguir coleta. ECOA. UOL, Rio de Janeiro, abr. 2020. Disponível em: https://www.uol.com.br/ecoa/ultimas-noticias/2020/04/10/lixo-domiciliar-cresce-mas-especialista-alerta-para-risco-de-seguir-coleta.htm. Acesso em: 20/5/2020.

Período de isolamento social é marcado por menos lixo nas ruas e aumento da reciclagem nas residências. Cidade de São Paulo: Secretaria Especial de Comunicação, São Paulo, abr. 2020. Disponível em: http://www.capital.sp.gov.br/noticia/periodo-de-isolamento-social-e-marcado-por-menos-lixo-nas-ruas-e-aumento-da-reciclagem-nas-residencias. Acesso em: 20/5/2020.

Comunicado: Cadastramento dos pequenos e grandes geradores de resíduos sólidos na Amlurb. Índices, Pesquisas e Publicações. Fiesp, São Paulo. Disponível em: https://www.fiesp.com.br/indices-pesquisas-e-publicacoes/comunicado-cadastramento-dos-pequenos-e-grandes-geradores-de-residuos-solidos-na-amlurb/. Acesso em: 25/5/2020.

Grafiteiro Mundano cria kit contra o Coronavirus para catadores de rua. Entretenimento. UOL, São Paulo, mar. 2020. Disponível em: https://entretenimento.uol.com.br/noticias/redacao/2020/03/27/grafiteiro-mundano-cria-kit-contra-o-coronavirus-para-catadores-de-rua.htm. Acesso em: 25/5/2020.

Lixo seco e úmido: Entenda os conceitos e diferenças. Reciclagem. Pensamento Verde, set. 2019. Disponível em: https://www.pensamentoverde.com.br/reciclagem/lixo-seco-e-umido-entenda-os-conceitos-e-diferencas/. Acesso em: 25/5/2020.

Manual Gerenciamento Integrado Resíduos Sólidos. Disponível em: http://www.resol.com.br/cartilha4/residuossolidos/residuossolidos_2.php. Acesso em: 25/5/2020.

Natalia Romano Ferreira dos Santos
Últimos posts por Natalia Romano Ferreira dos Santos (exibir todos)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *